Início          Edição atual          Edições anteriores          Blog          Corpo editorial          Normas para publicação          Quem somos?          Contato         

 

Tabu e outros poemas

Poemas de Mestre Américo

Tabu

Tatuei Jesus
na parte
posterior
das coxas
pra mostrar
com minissaia
mas não posso
usar minissaia
porque sou
Homem

* * *

Memórias de garoto

Papai me levava
pra passear
no fim da tarde

Eu procurava entre
as mulheres elegantes
do centro da cidade

um caixote
enorme
de insetos.

Mamãe gargalhava
enquanto papai dizia:
- Olha as bichas!

Eu adorava o movimento
de descer as ruas
e contornar as praças

nas noites quentes
em que podíamos
passear de carro.

Papai é morto
e já não fazemos
qualquer viagem.

Mamãe me chama
Querido Filho ainda
antes que eu vá à praça

travestida.

* * *

Homo Haiku

Mistério do
terceiro sexo: um cu
dando pro outro

* * *

Natureza

A cabra é de deus.
A maçã é de deus.
De deus, o veado.
A cobra. De deus
todos os bichos,
e as bichas de deus;
e as outras
frutas: a uva
é de deus. E a vulva.
A lombriga e a fome,
de deus. O vazio,
o cheio; e o desejo
de completar-se:
de deus.
Só o kiwi
e o ornitorrinco
é que são
dos Japoneses.

* * *

Olhos de ver e ouvidos

Algumas palavras
sobre sexo
com velhos ou crianças
– e com bichos –
ferem
a sensibilidade
de determinadas gentes.
Sexo inter-racial,
homoafetividades
e troca de pares
em clubes restritos
já foram incorporados
às conversas à mesa
antes da prece.
Psicanalistas com botox
nos grandes lábios
e pastores evangélicos
transformistas
constituem o avanço
da raça.

* * *

Má Educação

Os meninos do bairro
eram educados
pela televisão.
Escola pública nunca
foi referência
para iniciamentos.
Pais não falavam
determinadas coisas.
Nos reuníamos
para sessões secretas
de videocassete
e masturbações.
A caverna do dragão
com seus mistérios.
Ouvia com atenção
conselhos do He-Man
desejando no íntimo
ser She-Ha.

 

 

 

 

Verão 2015 / Edição amarrada em um poste

Mestre Américo

Mestre Américo é do Barro, Ceará. Tipógrafo, encadernador e marceneiro, artes que aprendeu com outros mestres, cresceu ouvindo, ao pé da cama, fábulas de homens e de bichos cantadas por seu avô, Mestre Severino.

 

   

Raimundo • Nova literatura brasileira

Quem somos? A Raimundo abre as portas para novos autores e atores da literatura brasileira, entre contistas, poetas, tradutores e ensaístas. Criada em 2014 com proposta de ser uma revista de edição trimestral, pretende acolher obras que pouco encontraram abrigo nos ainda apertados espaços do mundo editorial brasileiro.

A revista

Edições anteriores

Blog

Corpo editorial

Nossos artistas

Autores (breve)

Colabore com a Raimundo

Normas para publicação

Contato