Início          Edição atual          Edições anteriores          Blog          Corpo editorial          Normas para publicação          Quem somos?          Contato         

 

Ocean(d)o

Poema de Marina Cristaldo

I

O primeiro a chegar na linha
de chegada. Aparece em sonho, furtivo,
leva-me a superfície, tira-me o fôlego.
Nada
deixa para os próximos homens
em dias diferentes.
Beija-me primeiro
por pena, ou por ser preciso.
Beija-me primeiro com nome
para se achar muito...
Explora a dor, que ainda não há
muito choro. Beijo
por fim, sem nome, por ser
ingrata.

II

Por um segundo me deixei aprofundar -
quando apenas me queria
superfície.
Pés inalcançáveis
à beira-mar fugiam
da minha maré.
Com seu nome de anjo e seu céu
que jamais me tocava;
nem mesmo em horizonte.
Penetrava-me aos poucos, em gotas,
em suas crises.
Encheu-me de sua tempestade:
aquele curto circuito que não me levou
até você.

III

Alguém falou de progresso
ao terceiro dia: a ressurreição!
Chega em mim uma luz
quase que casta. Uma estrada
não asfaltada. Sotaque d'outra
cidade. Do interior.
Iluminou-me os pulsos,
choros expulsos,
nega-me impulsos
e vai. Deixando
a desejar.

IV

Um quarto e você me apareceu.
Era dia de chuva,
clichê, e entre um parque e uma galeria
você, o guarda
chuva. E eu,
que desse cinza nada
podia esperar. Apenas mortos
a lembrar deste nove de julho.
E não faz sentido me colocar para sonhar
de olhos abertos sob a tela de cinema.
No seu abraço
forte
e suas mãos ressecadas do sol,
Do meu sal; minhas lágrimas
mancham seu lençol. Como sangue
quando me mergulha.
Um quarto fez-me refúgio.
Um quarto fez-me hotel.
Um quarto fez-me atração.
Até que chegou o momento de decolar
para o exterior.
Coração ilhado.

V

Era quinta, e dei-lhe o fim
da semana. Nada lembro
daquele ambiente mal
iluminado, o seu primeiro olhar.
De quinta
nada lembro. Do seu barbarismo
fiquei só
com seu canto. De quinta
categoria: coincidência. Amor
e ódio; o mesmo nome
me persegue. Pela história e manchetes
a primeira dama
me beija. A vida
se escancara
bárbara
em cores primárias.

VI

Venceu-me então o ceticismo
aquele que me veio pôr-do-sol.
Toca-me laranja,
pela metade. E se mistura em mim
até anoitecermos - calmaria.
Acordo com sua ressaca
e sotaque de primeira capital.
Meu corpo tão fatigado pelo sol insiste
seu calor.
Em sol ação.
Em meio ao delírio percebo:
estamos cara a cara com a distância.
E em meio ao impossível, meu coração
acelera. Evaporo e me queima.
E o que me restava de ceticismo destrói.
Porque me traz abstrato em vocabulário,
e me expõe a profundidade, o azul
da superfície.
Vitorioso.

VII

E no sétimo dia descanso
no abraço desesperado e comovido
de um estranho. Um pedido
embriagado para eu ficar.
Perdido.
No décimo segundo
me pega como chance;
noir.
Nada a esclarecer.
Sob minha pressão
só aguenta água
viva. Em
chamas: sobrou apenas
o tato.

 

 

 

Verão 2015 / Edição amarrada em um poste

Marina Cristaldo

Marina Cristaldo é uma paulista que passou boa parte dos seus vinte anos rabiscando por aí. Longe de estar cansada dos seus garranchos em tinta azul, dedica-se atualmente à Literatura e à Tradução.
Por enquanto, não concluiu alguma obra para ser publicada, mas deixa seus registros ao público no blog pessoal Impubliable.
Dá seus gritos pela escrita. Tenta fazer com que tudo o que joga na folha pulse, sempre num tom azul, de ressaca à maré... Seus textos costumam ser um fluxo, de ideias raramente literais, tão abstratos quanto sua pessoa.
Acredita que a Literatura – como outras manifestações artísticas – seja capaz de manter o ser humano vivo, memorável e, sobretudo, palpável.

Blog da autora

impubliable.blogspot.com.br

 

   

Raimundo • Nova literatura brasileira

Quem somos? A Raimundo abre as portas para novos autores e atores da literatura brasileira, entre contistas, poetas, tradutores e ensaístas. Criada em 2014 com proposta de ser uma revista de edição trimestral, pretende acolher obras que pouco encontraram abrigo nos ainda apertados espaços do mundo editorial brasileiro.

A revista

Edições anteriores

Blog

Corpo editorial

Nossos artistas

Autores (breve)

Colabore com a Raimundo

Normas para publicação

Contato