Início          Edição atual          Edições anteriores          Blog          Corpo editorial          Normas para publicação          Quem somos?          Contato         

 

Compulsório e outros poemas

Coletânea de poemas de Léo Tavares

 

Compulsório 

Não me sai da cabeça

Aquela vez que,

Fingindo mal-estar,

recusei sopa de cabeça de peixe

Na casa da amiga de infância.

Às vezes é preciso inventar a ânsia

Para evitar o vômito,

Me ensinaram.

E de tanto engolir a seco

As vontades alheias e

As minhas covardias

Fui fazendo de conta que

Engolia o mundo

E o mundo foi fazendo de conta

Que me engolia.

Tem dias que não saio de casa

Para não aceitar o que me oferecem

Invento desculpas até para o meu cachorro

Sou mentiroso compulsivo,

E um pouco sozinho.

 

* * *

 

Insondável 

Segundo vocês me contam,

No dia em que Deus desceu à Terra

Para dar um recado

Que mais parecia um ultimato

Todos se assombraram

Choraram aos berros,

Tiveram epifanias

Cagaram nas calças

Eu não vi nada.

Naquele momento,

Sob o sol fulgurante

Da praia de Bombas

Eu prendia a respiração

E entrava manso e sinuoso

Na mais limpa das águas.

 

* * *

 

Indigesto Irrecusável

Estremeço porque é o fruto de hoje que me apodrece dentro.

Leva tempo, eu sei, para que essas coisas ruminantes

Encontrem decomposição e fenecimento.

Mas seria mais fácil olhar o alimento

Com um olho interno que me dissesse:

Vai, recusa.

É doce, mas é desuso querê-lo.

Há vômitos à espreita.

Há dores lancinantes

A impedir o sono da semana que vem

A proclamar o trauma da próxima década

E a cavar as rugas a serem irrigadas com uma

Ou outra lágrima mal-quista.

Mas nunca quis ser faquir de amores

Ou desejos.

Ainda que os risos me rasguem a garganta

E me façam cair os dentes

Vou ser fremente em alegria agônica

Vou entupir as artérias

Dessa gordura nociva da vida.

Me escorrem da boca veneno e sumo

Eu ressorvo na noite, em largos goles, esperança

E os abandonos, em densos tragos, eu fumo.

 

* * *

 

Vaidade 

Dentre todos os quadrantes de Nostradamus

Gosto particularmente daquele

Que profetiza: no ano de 2027

Alguém se aproximará de mim

Para me dizer que minha beleza

É como a da primeira chuva no cerrado

Depois da seca

Ou como o último e agonizante trinado

De um pássaro que ainda não foi catalogado

Um prisma em uma poça d’água

Os estilhaços de uma taça antiga

Dentro de um lenço de seda monogramado

Bonito como um animal a se debater

Na terra, entre placentas ou entre presas afiadas

Um funeral,

Um casamento.

Até lá só me dirão que sou feio,

E os que não têm coragem,

Não dirão nada.

 

* * *

 

Ameaça

A noite grasna qualquer coisa afiada

Sou todo ouvidos

Ainda que ameaças oscilem e vaguem

Bem perto da minha sacada.

Uma mulher muito negra

Arrastando atrás de si,

Um vestido de prata

E espargindo lantejoulas

Antigas, descoradas

Sobre quem fica

Sempre à deriva,

Em janelas e amuradas.

 

 

 

 

 

Inverno 2015 / Não sobre o amor

Léo Tavares

Natural de São Gabriel, RS, mora em Brasília. Possui Mestrado em Arte pela Universidade de Brasília - UnB. Participou da antologia do Concurso Nacional de Contos Newton Sampaio, edição 2007, Concurso Nacional de Poesia Cassiano Nunes, edição 2009 e Prêmio SESC de Poesia Carlos Drummond de Andrade 2011. Colaborou com textos em diversas revistas literárias. Em 2015 publicou o livro de contos Os Doentes em Torno da Caixa de Mesmer, pela editora Modelo de Nuvem. Com este livro venceu o concurso Contista Estreante, promovido pela FestiPoa Literária – Festa Literária de Porto Alegre em 2014.

Blog do autor

mobileazul.blogspot.com

 

 

   

Raimundo • Nova literatura brasileira

Quem somos? A Raimundo abre as portas para novos autores e atores da literatura brasileira, entre contistas, poetas, tradutores e ensaístas. Criada em 2014 com proposta de ser uma revista de edição trimestral, pretende acolher obras que pouco encontraram abrigo nos ainda apertados espaços do mundo editorial brasileiro.

A revista

Edições anteriores

Blog

Corpo editorial

Nossos artistas

Autores (breve)

Colabore com a Raimundo

Normas para publicação

Contato