Início          Edição atual          Edições anteriores          Blog          Corpo editorial          Normas para publicação          Quem somos?          Contato         

 

Madame Nagô

Poema avulso de Talita Rocha

Para dona Elita.

São vestígios/resquícios.
De tempo,
Memória apagada.
Lá dentro é difícil ficar.
O corpo é de difícil conforto.
Mas é clara, mãe, mas é clara.
Agradece.
Mas é clara, pai, mas é clara.
Agradece.
Mas pai.
Aparece.

Veio de pele clara.
Num tombo de navio
Tomba um, dois, três.
Tomba a puta que pariu.

Só há calma quando o tambú chama
Mas responde com angústia e lamenta.
E é lama, drama.
Com turbante e chofer ainda sofre,
Não é direito,
Não aceito a coroa.
Nunca quis pôr.

E como chora o candongueiro.
E de tanto soluçar
O terreiro some.
Mas é trabalho feito.
Dito
Refeito em mágoa.
Na água, na beira do mar.
Na ribeira
São reveitreis e giras que o mundo dá.
Deu, não daria...
Não quero mais.

 

 

 

Inverno-Primavera 2016 / Edição RaimundA

Talita Rocha

Sou formada em Letras pela Universidade de São Paulo, comecei a escrever desde muito piveta, quando aos sete anos escrevi um poema para chuva, no melhor estilo da dupla Leandro e Leonardo, em seu auge nos anos 90, aliás minha principal influência na época. Não sendo só esta minha motivação para fazer tal faculdade, visto que havia também um gosto de fato pela leitura, esta era uma forma de ficar perto do meu pai que morreu antes mesmo de eu completar um ano de vida, me deixando apenas um livro, 1919 de John dos Passos, que por sinal nunca li. Assim permeando todo esse gosto por leituras e escritas, desenvolvi o gosto por desenhar, uma forma de conseguir prestar atenção nas aulas da faculdade. Atualmente trabalho em um projeto que envolve diversas formas de manifestações artísticas, tanto escritas quanto visuais, chamado Madame Nagô, que busca um certa imersão em minha ancestralidade afro-brasileira e uma representação também do meu presente de ainda mulher periférica.

Página da autora

www.facebook.com/madamenago/

 

 

 

 

 

 

 

   

Raimundo • Nova literatura brasileira

Quem somos? A Raimundo abre as portas para novos autores e atores da literatura brasileira, entre contistas, poetas, tradutores e ensaístas. Criada em 2014 com proposta de ser uma revista de edição trimestral, pretende acolher obras que pouco encontraram abrigo nos ainda apertados espaços do mundo editorial brasileiro.

A revista

Edições anteriores

Blog

Corpo editorial

Nossos artistas

Autores (breve)

Colabore com a Raimundo

Normas para publicação

Contato