Início          Edição atual          Edições anteriores          Blog          Corpo editorial          Normas para publicação          Quem somos?          Contato         

 

Transitando

Conto de Daniel Sanches

Saída do metropolitano Pq. Dom Pedro

Escrevo loucamente enquanto ando. Vanessa nem pergunta o que há. Eu no caderno, ela no watts. Também não sei o que há. Ela no watts, normal. Eu com caderno no meio da rua, não. Somos diferentes e perdemos o que tínhamos em comum. Não sei quando.

Com caderno em mãos me distancio dela. E sem ele? Mãos dadas olhando o vazio. Não faz diferença. Lembrei de quando G.H. entra no vazio do quarto da ex-empregada. Relação sem o outro. Alguém que se vai e resta o oco que já estava. E agora nem a pessoa. G.H. não se recorda do rosto da outra. Será que um dia esquecerei o dela também?

Términos. Outros ciclos. Um doido psicografando ao lado de alguém que há 10 anos não o questiona em nada. Ela no watts e eu alienado dela. Escrever, refletir. Trabalhar forma e conteúdo. Talvez não haja mais tempo nem forma para nós, pior é não ter precisa a data do final.

Ladeamos um viaduto, lembranças. Estivemos nele ainda em reforma. Eu e Vanessa voltando dum show. Sexo em cima do concreto vendo carros passando. É bom, dá sensação de poder em relação à cidade. Eu era Deus e mijava sobre os que passavam.

Passou o tempo e agora tem a outra. Vinda de um passado mais remoto que o próprio viaduto. Não sei o que fazer com ela nem com Vanessa. Fico velho. A resolução seria simples quando novo: trepar, gozar e pronto. Nem a falta de dinheiro pra motel seria problema. O terreno perto de sua casa seria mais que apropriado. Apesar do tempo passado, ela ainda é nova. Toparia fácil e acharia graça. Ela tem até um plano. Vai mudar da cidade daqui há 2 meses. Depois já era.

Reencontros. No primeiro deles ela estava com um amigo em comum e o olhar disse tudo. Depois se confirmou: sabia que ia dar um ruim gostoso. Conversamos, bebemos. Fez-me lembrar de quando ficamos pela primeira vez ainda era novinha, uns 16. Agora é mulher adulta. Filho, emprego e tudo. Ri falando que poderia ter sido preso por pedofilia na época. Ela riu. Essa outra que veio do passado não tem nome, não a nomeio. Casada e filho de 8 anos.

Engraçado. Não, não é. A cidade arma reencontros, lembranças, casos reaparecem numa multidão de tempo/espaço caótica. Teve aquela, aquela outra, a outra. Agora essa. Não pensava, simplesmente ia para o jogo. Hoje fico assim, dúvidas, receios. Agora ferir e ser ferido cai na conta. Dez anos juntos e um projeto de moradia pra se efetivar ou desmoronar. Mudança de cidade, de vida. Praças, pontes, viadutos deixados para traz. Não é possível. Memória e passado me traem. Viver é praticar crimes.

A partir de certo momento pessoas e casos se mesclam. É mais ou menos quando se acorda na cama de alguém que não se sabe quem é. Isto acontece com alguém que se conhece há décadas. Despertamos. E não somos.

 

 

 

Outono 2017 / Não Temos Tempo de Temer a Morte

Daniel Sanches

Formação em Letras pela Universidade de São Paulo, projeto de Iniciação Científica realizado pela área de Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa estudando os malandros das obras do escritor João Antônio comparativamente com os do sambista e compositor Geraldo Filme. Projeto de extensão universitária de criação de um arquivo de sambas de comunidades paulistanas disponibilizado para professores da rede pública. Participante da coletânea de textos compostos durante a oficina de criação e estudo de textos literários do Sesc Belenzinho em 2017 com o conto Pulga atrás da orelha. Formado em Biblioteconomia com Trabalho de Conclusão de Curso sobre a diversidade cultural o acervo da Biblioteca Municipal Mário de Andrade. Atualmente coordeno a biblioteca do Senac São Bernardo do Campo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

   

Raimundo • Nova literatura brasileira

Quem somos? A Raimundo abre as portas para novos autores e atores da literatura brasileira, entre contistas, poetas, tradutores e ensaístas. Criada em 2014 com proposta de ser uma revista de edição trimestral, pretende acolher obras que pouco encontraram abrigo nos ainda apertados espaços do mundo editorial brasileiro.

A revista

Edições anteriores

Blog

Corpo editorial

Nossos artistas

Autores (breve)

Colabore com a Raimundo

Normas para publicação

Contato